Ads 468x60px

02/09/2011

QUEM É O ESPÍRITO SANTO?





I. A EXISTÊNCIA DO ESPÍRITO SANTO

O Espírito Santo é a terceira Pessoa da Santíssima Trindade. Ele aparece pela primeira no primeiro livro da Bíblia, em Gênesis 1.2, e daí em diante sua presença é marcante em ambos os Testamentos. O vocábulo que dá sentido ao seu nome vem da palavra hebraica (ruach), e em grego (pneuma), pode significar vento, fôlego ou espírito. É usada para representar uma gama de expressões relacionadas com a natureza, com a vida dos animais e do homem, e com Deus. Alguém calculou que há pelo menos 33 diferenças de sentido que esta palavra pode apresentar em seus diferentes contextos. Ambos os termos, quando aplicados para dar significação divina e sem igual, denotam o infinito Espírito de Deus. Sua origem não se encontra nas tábuas genealógicas, pois, sendo Ele um dos membros da Divindade, é a ori¬gem de si mesmo e a causa de sua própria substância.

II. SUA PREEXISTÊNCIA

A natureza e os atributos do Espírito Santo caracteri¬zam-no como o "Espírito eterno", não conhecendo princípio de dias nem fim de existência (Hb 9.14). Ele apare¬ce ao lado de Deus, quando havia unicamente o Deus trino e uno. O tempo, que marca extensão, é percebido através da relação entre "antes" e "depois". Uma vez que o Espírito Santo tem a mesma natureza de Deus, o tempo não se aplica a Ele - já que existe pela própria necessida¬de de sua existência. Ele é um Ser vivo, dotado de perso¬nalidade, não sendo meramente uma influência ou ema¬nação de Deus. Antes, é uma Pessoa claramente divina, que faz parte da Trindade. Não um ser criado, como nós ou as demais criaturas que, por um ato de Deus, passamos a existir num certo tempo e lugar.

1. No Antigo Testamento

O período do Antigo Testamento foi de preparação e espera a este Ser eterno, cuja ação plena concretizou-se no Novo. Mas antes, como sabemos, o Eterno Espírito de Deus já operava. Dos 39 livros do Antigo testamento, apenas 16 não fazem referência específica a Ele - mas em essência. Algumas referências marcam sua presença nesse perí¬odo, descrevendo-o como membro ativo da Divindade e participante de decisões somente a ela inerentes. Veja¬mos algumas:

a) Na criação do Universo: "E o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas" (Gn 1.2).

b) Na criação do homem: "E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhan¬ça..." (Gn 1.26).

c) No juízo sobre o pecado: "Então disse o Senhor Deus: Eis que o homem é como um de nós..." (Gn 3.22).

d) No julgamento sobre o dilúvio: "Então disse o Se¬nhor: Não contenderá o meu Espírito para sempre com o homem..." (Gn 6.3).

e) Sobre a construção da torre de Babel: "Eia, desça¬mos, e confundamos ali a sua língua..." (Gn 11.7).

O Espírito Santo é também retratado, em relação aos ho¬mens, como aquEle que ilumina (Jo 33.8), dá forças especiais (Jz 14.6,19), concede sabedoria (Êx 31.1-6; Dt 34.8), outorga revelações (Nm 11.25; 2 Sm 23.2), instrui sobre a vontade de Deus (Is 11.2), administra graça (Zc 12.10) e, finalmente, enche as vidas com sua presença (Ef 5.18).

2. No Novo Testamento

O Espírito Santo entra em cena logo nas primeiras páginas do Novo Testamento. O anjo Gabriel informa a Zacarias, um velho sacerdote da ordem de Abias, que seu futuro filho, João Batista, seria cheio do Espírito Santo desde o ventre materno (Lc 1.15). O mesmo mensageiro celestial diz a Maria que o Espírito Santo desceria sobre ela (Lc 1.35). Mais adiante encontramos o justo Simeão, e "o Espírito Santo estava sobre ele" (Lc 2.25). Durante a vida terrena de nosso Senhor Jesus, a atuação do Espírito Santo acompanhava seus passos, palavras e obras. Ou seja, Jesus era "cheio do Espírito Santo" (Lc 4.1). E podia exclamar: "O Espírito do Senhor é sobre mim" (Lc 4.18).

Vinte e cinco livros dos 27 que compõem o Novo Testamento descrevem o Espírito Santo como um Ser real. Apenas dois, Filemom e 3 João, falam dEle apenas em essência. Há duas citações sobre a existência do Pai e do Filho que não mencionam sua existência:

"E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem envias-te" (Jo 17.3).

"E mostrou-me o rio puro da água da vida, claro como cristal, que procedia do trono de Deus e do Cordeiro..." (Ap22.1).

No entanto, a ausência do Espírito Santo nestas duas citações não lhe nega a existência como Pessoa real! Pelo contrário, prova sua humildade e grandeza. De acordo com a Lei mosaica, o testemunho de dois homens era verdadeiro para se firmar qualquer palavra ou sentença. Dois grandes personagens, João Batista e Jesus Cris¬to, afirmaram ter visto o Espírito Santo em forma corpórea.

"E João testificou, dizendo: Eu vi o Espírito descer do céu como uma pomba, e repousar sobre ele. E eu não o conhecia, mas o que me mandou a batizar com água, esse me disse: Sobre aquele que vires descer o Espírito, e sobre ele repousar, esse é o que batiza com o Espírito Santo" (Jo 1.32,33).

"E, sendo Jesus batizado, saiu logo da água, e viu o Espírito de Deus descendo como pomba e vindo sobre ele" (Mt 3.16).

III. SUA NATUREZA

A terceira Pessoa da Trindade é Espírito por natureza! Ou seja, tal qual Ele é, tanto o seu Ser como o seu caráter, assim são também o Pai e o Filho: iguais em aspecto, poder e glória. O fato de o Espírito Santo ser Deus fica provado não somente por sua identificação com o Pai e o Filho, nas fórmulas do batismo e da bênção apostólica, mas também pelos atributos divinos que pos-sui. Em outros aspectos, o Espírito Santo é co-participante dos atos de Deus, especialmente pela sua maneira tríplice de agir, como por exemplo:
1. Na bênção das tribos

"O Senhor Deus te abençoe e te guarde: o Senhor [Jesus] faça resplandecer o seu rosto sobre ti, e tenha misericórdia de ti. O Senhor [Espírito Santo] sobre ti levante o seu rosto, e te dê a paz" (Nm 6.24-26).

2. Na bênção apostólica

"A graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo seja com vós todos" (2 Co 13.13).

3. No perdão

"Ó Senhor [Deus], ouve; ó Senhor [Jesus], perdoa: Ó Senhor [Espírito Santo], atende-nos e opera sem tardar" (Dn 9.19).

4. No louvor

"E clamavam uns para com os outros, dizendo: Santo [Deus], Santo [Jesus], Santo [Espírito Santo] é o Senhor dos Exércitos: toda a terra está cheia da sua glória" (Is 6.3).

5. No batismo

"Portanto ide, ensinai todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo..." (Mt 28.19).

6. Nos dons

"Ora há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo. E há diversidade de ministérios, mas o Se¬nhor [Jesus] é o mesmo. E há diversidade de opera¬ções, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos" (1 Co 12.4-6).

7. Na unidade da fé

"Há um só... Espírito... um só Senhor [Jesus]... um só Deus e Pai de todos..." (Ef 4.4,6).

8. No testemunho

"Porque três são os que testificam no céu: o Pai, a Palavra, e o Espírito Santo; e estes três são um" (1 Jo 5.7).

Evidentemente, a presença do Espírito Santo é vista por toda a extensão das Escrituras, sempre agindo de comum acordo com o Pai e o Filho.

FONTES DE PESQUISAS

A Bíblia de Estudo Pentecosatal – CPAD.

Nenhum comentário:

 

Sample text

Sample Text

Sample Text